A minha independência sempre foi algo que prezava muito. Era algo que me define porque sempre apreciei não depender de ninguém para avançar. Aprendi a língua inglesa sozinha; aprendi HTLM e CSS sozinha; aprendi a mexer no computador sozinha; aprendi a pesquisar as minhas perguntas sem precisar de ninguém. Talvez porque a vida me obrigou a depender de mais ninguém além de mim, mas é algo que sempre gostei. 
A mais pura das ironias é que, em certa parte, perdi a minha independência.  A liberdade que tinha de controlar os meus sentimentos e estados de espírito evaporou-se. Acabaste por me tornar viciada no teu bem-estar para conseguir ter o meu. A tua felicidade deixa-me feliz, se estiveres triste assim ficarei, o teu sorriso provoca o meu e isto soa tão patético e cliché e meio que me revolta por me deixar influenciar pela tua alma. Reviro os olhos a mim própria por deixar que um forasteiro roube o meu equilíbrio.  Dá-me vontade de te bater por me deixares vulnerável com o teu olhar e palavras. No entanto, dá-me vontade de te beijar por aceitares a minha sensibilidade e medos, por afagares tanto o bem como o mau. E, apesar de assustada, estou estranhamente confortável com o facto de saberes quem sou, os erros que cometi, o quão chata e carente consigo ser, o quão eléctrica fico quando estou com sono ou a minha falta de habilidade de dançar. Estou dependente da maneira não-independente em que me transformaste.
O tempo passou e não consigo habituar-me à ideia de que acabou. A minha mente não associou que foste e que não voltarás. Estranhamente, escrever sobre a morte foi fácil anteriormente mas agora que a vivienciei é tão difícil encontrar as palavras certas para organizar os pensamentos. Na minha cabeça era apenas um pesadelo do qual ia acordar e ia suspirar de alivio. Não foi. Não sei como me sentir porque simplesmente tenho feito de tudo para não pensar em ti naquele caixão. Não eras tu: a tua face não estava tão redonda como aquela criatura que estava deitada naquela caixa. Sempre me disseram que eras um bom homem e eu acredito que sim, a igreja estava repleta de pessoas e lá fora ainda mais. Vi tanta gente naquele espaço desagradável, nunca pensei ser possível uma imagem assim. Desculpa se te estou a desiludir por me lembrar de ti e chorar mas não consigo evitar. Sei que estás melhor aí em cima, a iluminar os terráqueos e o seu deambular, mas dói na mesma saber que o solo te engoliu de vez e que afinal isto é a realidade. Vi a terra a ser deitada por cima de ti e foi quando caí em mim: partiste.

Outra Estrela No Céu

by on fevereiro 17, 2017
O tempo passou e não consigo habituar-me à ideia de que acabou. A minha mente não associou que foste e que não voltarás. Estranhamente, esc...