✿ 7 problemas de qualquer artista.

Que bom que é ser artista! A inspiração a fluir por entre os pensamentos aleatórios e bem estruturados que reflete o génio que prevalece dentro do ser da arte. Os seus dedos trabalham para transmitir as suas ideias e ideais de forma cuidadosa e delicada. Nunca há uma dia em que as ideias não nascem para darem as boas graças ao mundo intelectual. Elas fluem de maneira tão subtil que parecem estar preparadas desde sempre para serem expostas.
Era bom que isto fosse verdade não era? Quem me dera que isso fosse verdade. Seria tudo mais fácil realmente. A vida de artista é muito glamorizada pelos filmes de Hollywood, ou dramatizada ao máximo através do génio atormentado com traumas passados.

1. bloqueio criativo.

As pessoas têm muito a ideia de que os artistas só sabem criar e criar, nunca ficam sem ideias ou sem motivação. Quão errado! Acontece mais frequentemente do que um artista quer e começa a ser tão frustrante, por vezes, que a vontade é mesmo de desistir e não continuar a criar. Eu falo por mim que, durante um bom ano, isto me aconteceu. Nada do que eu escrevia parecia soar bom o suficiente e/ou parecia que o meu dito "talento" se tinha evaporado. Deixava-me muito triste porque a única coisa a que era um pouquinho boa em e aquilo que eu gostava imenso de fazer não estava a correr bem.

2. soa bem mal.

Sabem quando, por exemplo, fazem um trabalho para a escola e passado alguns anos vão revê-lo e não sabem onde tinham a cabeça para fazer aquilo? Bom, isso é o que acontece aos artistas, mas num espaço de tempo de minutos, na verdade. Estamos a fazer algo muito entusiasmados e parece que o fogo da nossa paixão por aquele trabalho renasceu até que paramos e revemos o que fizemos e... que horror. "Que raio estou eu a fazer?" é aquilo que todos nós pensamos, eventualmente.
Isto também acontece quando mostras o que fizeste a alguém e demoram a responder então começas a repensar em tudo e, inconscientemente, começas a apontar defeitos. Dica 1: Se um amigo te manda mensagem, responde rapidamente porque nunca sabes se é algo que ele quer a tua opinião e se não está a pensar demasiado.

3. perfecionismo.

O meu inimigo número um - perfecionismo, ou seja, eu mesma. Não é irónico que aquele que nos faz pior somos nós mesmos? Enfim. Tal como o meu signo, o meu tipo de personalidade e muitas outras coisas indicam, eu sou perfecionista e, por muito que pensem que isto é uma qualidade, não é. Quer dizer, consegue ser, mas poucas são as vezes que consigo usá-la a meu favor. O perfecionismo consegue ter o poder de matar a criatividade e espontaneidade que existe no momento. Além de que te leva a não partilhar algo de maneira a ter feedback porque nunca achamos que esteja bom o suficiente (ainda) para o fazer.

4. mal entendido.

Não sei quanto a vós, mas a mim já me aconteceu escrever algo e acharem que é uma coisa totalmente diferente e ficam ofendidos. Não só porque hoje em dia é tudo um frasquinho de perfume, mas porque também não sabem perceber que tudo tem um motivo para ser feito, logo, deviam esperar que a pessoa se explique. Principalmente quando já conhecem a pessoa e quando sabem a arte dela antes? Enfim, não se pode fazer nada. Dica 2: esperem que a pessoa se explique ou perguntem, mesmo, invés de atirar pedras e mandar bocas nas redes sociais. 

5. isto é-me familiar...

É tão frustrante quando estás a ter uma ideia incrível e achas que é mesmo wow e começas a questionar-te se já existe isso. Depois de pensar muito, reparas que um pequeno detalhe é similar a algo que alguém já tinha feito e desanimas logo. É que eu tenho muito o pânico de que uma ideia que eu tenho seja imitação inconsciente de algo. Para quem leu Big Magic sabe que isso é bastante normal acontecer, para quem não leu: LEIAM.

6. porquê continuar?

Esta é aquela fase que é uma das piores, eu acho. Chega-se ao momento em que começa-se a duvidar de nós mesmos pelas coisas mais pequenas. É a parte mais irritante de todo o processo de criar porque finalmente ganhamos a coragem para voltar a fazer algo, já passamos pela parte de "isto não é bom", pela parte de "isto parece igual àquilo" e ainda temos de estar a duvidar de nós mesmos. E, depois os teus amigos te dizerem que estás a exagerar, ficas um bocadito pior.
No entanto, acaba por passar esta parte quando começas a trabalhar no teu projeto e começas a ganhar inspiração.

7. quero feedback, eu acho.

Tu queres que as pessoas dêem a sua opinião, mas ao mesmo tempo não queres porque não queres receber críticas, mas queres críticas construtivas, mas não queres que sejam construtivas demais porque é uma coisa pessoal para ti e tens medo que seja "má" aos olhos dos outros. Para mim é um bocado assustador porque além de ter o blog, tenho uma história no wattpad que pode ser vista de maneira controversa pelas coisas que lá falo. Sendo sincera, nem tive medo de a publicar no início porque não ia ter leitores. Foi à medida que começou a ganhar reconhecimento que eu fiquei cada vez com mais medo de publicar algo meu porque sabia que poderia ter uma repercussão negativa ao não entenderem o que queria dizer ou ao estar a dizer algo de errado. Acho que tenho ainda mais medo agora de publicar algo com a minha opinião porque as pessoas já têm uma certa expectativa de mim, do que antigamente porque "ninguém queria saber".

Estes são os probleminhas que encontrei sobre ser artista ou criador de algo. Espero que tenham gostado. Deixem nos comentários as vossas opiniões ou se sabem de mais situações parecidas que eu não tenha mencionado.
Até ao próximo post Rainers,


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comenta a tua opinião ou algo que gostarias de me dizer!

NÃO SE ESQUEÇAM DE PARTILHAR O POST COM OS VOSSOS AMIGOS/FAMILIARES E COMENTAREM SE GOSTAM E/OU COM IDEIAS PARA COISAS QUE GOSTAVAM DE VER. OBRIGADA POR LEREM!




WOOK - www.wook.pt